4 aprendizados em O Escravo de Capela - Faro Editorial


O Escravo de Capela é um dos últimos lançamento da Faro Editorial e o último livro lançado pelo autor nacional, Marcos DeBrito. Esse livro é meu primeiro contato com o autor e já quero pra ontem, suas duas outras obras: O Condado Macabro e À Sombra da Lua.

O Escravo de Capela tem como objetivo trazer uma história baseada nos acontecimentos da época da escravidão no Brasil. Somos apresentados as crueldades da Fazenda Capela, governada pelo patriarca Batista e seu filho mais velho, Antônio que faz a frente de feitor.

Enquanto a fazenda começa a passar por necessidades financeiras devido a grande competição na produção de açúcar, a última remessa de escravos chega à fazenda e os negros são apresentados a uma rotina de exploração, ameaças e violência.


Sabola é um jovem angolano que foi removido de sua terra e entregue as mãos do senhor de engenho, para ser mais um a passar pela humilhação e violência de ser um escravo. Sem compreender a língua portuguesa, ele aprende na base do chicote o que veio fazer naquelas terras. Mas é dentro da senzala, aprisionado ao lado de Akili, um escravo de idade avançada, que tem motivações e aleijado pelo sadismo do filho mais velho do Cunha Vasconcelos, que ele recebe um sopro de esperança no seu sonho de fuja.

Na Casa Grande, a volta do filho mais novo do Cunha Vasconcelos causa pertubação e incômodo. Inácio é médico e voltou de Portugal para ver o pai, que alimenta o sonho utópico de que seus dois filhos possam juntos comandar a Fazenda Capela.

Inácio compartilha de ideais abolicionistas e isso causa desprezo no seu irmão mais velho, Antônio, que tem prazer em ver os escravos sofrerem e busca qualquer motivo pra castigar um deles da forma mais lenta e dolorosa possível.


Durante sua estádia, Inácio acaba se encantando pela jovem e bela Damiana, uma escrava que auxilia outras nos cuidados com a casa e alimentação. É o surgimento de um amor proibido, não apenas pelas diferenças de classe, mas principalmente por um segredo escondido por essa família.

Diante de tudo isso temos um livro bem construído, que consegue segurar o leitor durante toda a sua narrativa e que merece a nossa atenção, dentre diversos motivos, separei apenas 4 que se destacaram no meu ponto de vista:


1. Escravidão
Eu sei que provavelmente você passou pelo ensino médio ignorando as aulas de história do Brasil, ou tentando, por isso, você vai se chocar e ficar sem palavras para as atrocidades que não nos foram contadas sobre esse período da nossa história.
Sim, da nossa história! Foi aqui no nosso solo, foi aqui onde nascemos que diversas pessoas sofreram e morreram pelas mãos de outras pessoas.

Foi ser humano matando e violentando outro ser humano apenas pelo prazer, apenas porque a sua cor era diferente. Nós não fazemos a mais remota ideia do sofrimento causado, e no livro a gente tem uma pequena amostra disso. O Marcos consegue jogar na cara do leitor a dura realidade dos escravos e é duro prosseguir, é duro você ler e não se sentir enojado, partido e chocado.

E apesar de já fazer séculos que a escravidão foi abolida do Brasil, hoje, agora, nesse exato minuto ainda existem milhares de pessoas sendo discriminadas pela sua cor. Enquanto eu lia o livro, eu lembrava de histórias reais, de amigos, conhecidos que passam pela mesma discriminação racial nos dias de hoje.


2. Cultura Africana
Você vai saber um pouco sobre a cultura africana, sobre a desapropriação cultural que era imposta aos escravos em todos os aspectos. Seus nomes eram mudados, a religião católica era imposta a eles, sendo obrigados a assistir à missa todos os dias. 

Os escravos eram trazidos de várias lugares como Congo e Angola e cada um tinham uma língua específica da sua região, muitos não falavam português e eram obrigados a compreender a nossa língua sob chicotes, além de ser proibido que eles se comunicassem uns com os outros em outra língua que não o português. Os negros tinham suas vidas, língua, cultura, religião e costumes arrancados violentamente de suas mãos. Não bastava as torturas físicas e psicológicas, eles não tinham o direito nem de ser eles próprios.


3. Folclore
Temos lembranças do tempo da escola, onde no dia do folclore pintávamos vários desenhos de boto cor-de-rosa, sereia, saci, mula sem cabeça e etc. O Escravo de Capela traz duas figuras do folclore muito conhecida por todos nós.

Eu não vou dizer qual é, porque isso tiraria o encanto de descobrir e relembrar por você mesmo, alguns momentos da infância. Mas, não é uma figura dos nossos tempos de criança, é uma versão sangrenta e mutilada.


4. Luta & Amor
O final do livro é o ponto chave de todo o enredo, nele descobrimos segredos ocultos e a motivação por trás daquele sonho de fuga, compartilhado por Akili e Sabola. É o amor de um pai, que mesmo diante das maiores atrocidades e dores, se manteve firme e forte para que um dia pudesse olhar sua filha e dizer a verdade.


Esse foi o primeiro livro da Faro Editorial que eu li e veio como parceria, mas independente desse vinculo eu queria ressaltar para vocês a qualidade dessa edição do livro. As páginas são de uma gramatura que eu nunca vi, a formatação e a lombada são maravilhosas. As imagens são o toque final para concluir essa edição digna de uma das melhores edições que li esse ano. Vale a pena gastar R$ pra ter esse livro na estante.

O Marcos possui uma escrita objetiva, com uma linguagem um pouco formal o que talvez traga algum incômodo para quem não é acostumado. Ele consegue levar o leitor por toda a obra, e de forma alguma fica cansativo ou enfadonho, pelo contrário, a cada final de capítulo ficamos ansiando pelo próximo para saber o desenrolar dos próximos acontecimentos.

É maravilhoso descobrir um novo autor nacional, e principalmente quando vemos histórias tão boas e tão bem escritas. Com certeza o Marcos ganhou mais um fã e leitor e vou em busca de suas outras obras e trago aqui pra vocês. Se você já leu algo do Marcos, deixa teu comentário ou me diz o que achou desse livro!


11 comentários

  1. Nossa... Esse livro parece ser incrível!!!! Preciso ler! Apesar de ser uma leitura bem pesada, tenho certeza de que será muito reflexiva e recompensadora!
    Obrigada pela dica!! *__*

    ResponderExcluir
  2. Oiii tudo bem?
    Que incrível essa sua resenha menina, o livro parece ser incrível diante da capacidade que as pessoas tiveram que fazer para ferir os outros e assim os utilizar como meros objetos, ótima resenha e quero ler.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Oie!
    Acho que já tinha visto algo pelos blogs sobre esse livro.
    Mas gostei das suas considerações sobre ele.
    Não sou muito de ler livros que tratem de escravidão, mas acho a ideia interessante.

    ResponderExcluir
  4. Oi Yara! Esse livro parece ser bem intenso. Ele traz um tema muito importante, mas também bastante pesado. E, mais dificil do pensar que aconteceram coisas assim no passado no nosso país, é pensar que esse tipo de violência ainda acontece no mundo, e não digo sobre a discriminação racial, mas sobre a escravidão mesmo. É bizarro como uma pessoa pode ser capaz de fazer tanto mal a outra. Seria ótimo se isso fosse apenas uma ficção. Eu não sei se teria estômago para ler uma obra como essa, mas imagino que seja mesmo um excelente livro.
    Beijao

    ResponderExcluir
  5. Olá, menina estou muito curiosa para ler esse livro. Vi algumas resenhas que só aumentam minha vontade. Já coloquei ele na lista de próximas compras. Amei os pontos que você destacou. Bjs

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia esse livro, mas fico feliz que você tenha gostado tanto da leitura.
    Confesso que não me interessei muito, não é o estilo de leitura que costuma me agradar. No entanto, as temáticas são realmente muito importantes e gostei de saber que o autor tem uma linguagem direta e não deixa a leitura se tornar enfadonha, por isso, não descarto ler algum dia.
    Adorei sua resenha!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Oi!!


    Adoro livros com essa temática e gostei muito do fato do autor abordar um tema que ainda repercute nos dias atuais com comportamentos e atitudes racistas. Não conhecia a obra e nem o autor e o fato de vc numerar quatro motivos, que por sinal maravilhosos, para ler só me deixa mais empolgada e curiosa. beijos

    ResponderExcluir
  8. História sempre foi uma de minhas disciplinas favoritas, mas mesmo assim é bem duro ler tudo o que já aconteceu nessa época. Parece ser uma leitura muito interessante. Eu quase solicitei o livro, mas fiquei com medo de não ter estômago..
    Eu não gosto de folclore, sempre ficava fora das atividades que envolviam isso, então não sei como seria com as duas personagens. Mas adorei a sua postagem, definitivamente muito interessante.

    Beijos, beijos.

    ResponderExcluir
  9. Oii, tudo bem?
    Eu tenho visto otimas criticas a respeito desse livro, o pessoal tem apreciado muito a historia e a escrita do autor. Com certeza estou com muita vontade de o adquirir.

    ResponderExcluir
  10. Oie,
    Estou vendo muita gente falando sobre esse livro por ai. E fiquei realmente curiosa sobre ele.
    Achei bem bacana encontrar algo nacional, que abrange o nosso folclore.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. nossa, me pareceu ser uma obra bem intensa e eu teria muito prazer em fazer a leitura... gosto da temática e saber que a escrita dele é fluida, melhora muito a coisa...
    dica anotada...
    bjs, Yara ^^

    ResponderExcluir