Resenha: O Príncipe Corvo - Editora Record


Como falar de O Príncipe Corvo para vocês? Eu não sei gente, sinceramente essa está sendo uma das resenhas mais difíceis para mim nos últimos tempos. Não pense que eu não gostei do livro, longe disso, a verdade é que amei e agora estou aqui nessa situação de não saber como falar, mas vou dar meu melhor viu? Espero que gostem. 

Este foi um livro do qual eu esperei muito e ao mesmo tempo em que estava mais do que ansiosa para ler estava com receio, pois para onde quer que eu olhasse eu via todos falando mil maravilhas e fiquei com receio de ser do contra, mas não, eu simplesmente entrei na onda e me apaixonei perdidamente por esse romance de época tão singular.


Anna Wren não é aquela mocinha virginal que precisa casar para constituir família, na verdade ela é viúva já faz alguns anos que mora com sua sogra e uma criada. E acaba se tornando a matriarca e a responsável por tudo na família, e com isso se inclui as finanças que estão quase que extirpadas para elas. A situação requer que Anna encontre uma solução rápida para salvar sua única família.


Ela vira secretária de Edward ou como a sociedade lhe chama: Conde de Swartingham. Um homem grosso que voltou a pouco tempo para suas terras no interior. O fato de ficar tanto tempo longe daquelas terras foi por ter passado por um grande trauma em sua adolescência, e isso o tornou um homem amargo. Agora gente, grosso é pouco, Edward entra na categoria de mal humorado, rabugento, ignorante e cuspidor de fogo pelos quatro ventos. 


"Será que um homem conseguiria viver com tamanho vazio dentro de si?"

Com esse gênio qualquer funcionário temeria de falar qualquer coisa com ele não é? Pois bem, acho que Anna não teme não, pois ela sempre lhe dá respostas a altura de todas as grosserias dele, deixando o homem encantado pela coragem da secretária, e com isso despertando coisas não só nele mas nela também, sentimentos que a muitos anos ambos achavam que nem existiam mais dentro de si. 

A tensão é enorme então Edward decide visitar um bordel muito famoso em Londres para tentar aplacar a necessidade que descobriu ter por sua secretária. Mas ai é que tá, Anna descobre sobre esse bordel e pensa que se ele pode aplacar suas necessidades, ela também pode, não é mesmo? Afinal, o fato de ser mulher não deveria ser um empecilho, mas, porque não um aplacar no outro? 
Qual seria o dano se uma viúva aplacasse sua necessidade com o homem que lhe atraia e que sabia que ele também tinha sentimentos por ela? 


"- Você deveria ter me dito que era isso que queria. - Ele levantou a cabeça para puxar o ar. - Eu teria satisfeito seu desejo. 
Anna parecia incapaz de um pensamento coerente e menos ainda de falar."

Olha, como eu disse, simplesmente AMEI O Príncipe Corvo, ao final dele fiquei com uma carência absurda dos personagens querendo nem que fosse mais umas 50 páginas, eu não iria reclamar. Este com toda certeza foi um livro que entrou no meu top 5 do ano. Um romance quente, sensual, carnal, que faz você suspirar, rir, se apaixonar, se encantar. Não é um livro que você possa ignorar ainda mais se gostar de romances época., Trate de ir ler e se apaixonar assim como eu me apaixonei. 

5 comentários

  1. Oiii amiga quanta foto linda menina, impossível não ficar tão apaixonado pela edição, em relação ao enredo não sou muito chegada, mas gostei de saber a sua opinião amor.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Olá! Acho que acabei de comentar em uma resenha desse livro em outro blog e provavelmente ele está em alta no momento. Bom, continuo batendo na tecla sobre os clichês de romance de época que me irritam (eu sei que todo genero tem cliche, mas alguns gostamos e outros não). É tão obvio que a personagem seja a diferente das mulheres da sociedade, falando o que e como quer e etc... acredito que isso mostra um falso empoderamento que dificilmente as mulheres tinham naquela época.
    Enfim :3 não quero ser chatona haha

    ResponderExcluir
  3. Pois é, eu também amei o livro, achei muito interessante e eu acho romances de época ótimos, pois levam você a ter uma visão diferente daquela época. É fácil acreditar que todas as mulheres eram submissas e não poderiam por exemplo ter um emprego, mas a verdade é que não era bem assim. E lendo romances de época você se abre inclusive para pesquisar mais sobre a vida dessas mulheres no passado e mudar a sua visão, né?
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  4. Oi Ka,
    Você sabe que eu não leio romances de época, mas você falou tanto desse livro que estou abrindo uma exceção e colocando na lista!

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  5. Olá
    fico feliz que gostou tanto da leitura, é sempre bom né? Não é uma leitura que faz meu tipo mas depois de tantos elogios é impossível não bater uma curiosidade então quem sabe eu não arrisque, bela resenha

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir